Segundo a CNI as grandes indústrias não conseguiram realizar seus investimentos como o planejado em 2018

Segundo a CNI as grandes indústrias não conseguiram realizar seus investimentos como o planejado em 2018

O setor industrial brasileiro é muito forte. Mas, um estudo realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostrou que o ano de 2018 não foi muito animador, principalmente quanto aos investimentos.

Segundo o estudo, cerca de 75% das grandes indústrias fizeram investimentos. Porém, esse número é menor do que os 81% das empresas que tiveram a pretensão de investir.

Entre as empresas que realizaram investimentos, o estudo da CNI indica que metade (51%) não conseguiu realizar os projetos como planejado, mostrando que, mesmo com a leve recuperação econômica, as dificuldades frustraram os planos de investimentos das grandes indústrias.

Vários fatores que explicam essa frustração no volume de investimentos do setor, desde a decepção com a retomada da economia, até as incertezas internas e externas. Veja então porque esses fatos influenciaram negativamente o investimento do setor industrial e quais são as expectativas para o futuro.

O que diz o estudo da CNI sobre os investimentos na indústria?

O estudo sobre os investimentos no setor industrial é anualmente apresentado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e está disponível no Portal da Indústria.

Quando comparado com outros anos, o ano de 2018 apresentou resultados menos expressivos, como indica o histórico de empresas que investiram ano após ano.

Fonte: Confederação Nacional da Indústria (CNI)

O estudo da CNI indica que especialmente para o ano de 2018, o número de empresas que fizeram algum tipo de investimento em 2018 chegou a 75%. Este número representa seis pontos percentuais abaixo dos 81% das empresas que planejavam investir. Esse resultado só é maior que os anos de 2015 e 2016, ápice da crise econômica.

Além disso, entre as empresas que investiram, metade delas (51%) não realizou os projetos previamente planejados. Dessas empresas, 38% realizam os investimentos de forma apenas parcial. E 9% delas foram ainda mais conservadoras e adiaram seus projetos para 2019. Já 4% definitivamente cancelaram ou adiaram seus investimentos para somente depois de 2019.

Destino dos investimentos em 2018: A inovação esteve em pauta

Ainda segundo o estudo apresentado pela CNI, a grande maioria (56%) das indústrias que investiram em 2018 destinaram seus recursos para a continuação de projetos anteriores. Já 44% aplicaram em novos projetos.

Além desses dados, o estudo da CNI — apresentado no Portal da Indústria — apresenta ainda outras conclusões bastante interessantes. Segundo o estudo, o principal objetivo dos investimentos em 2018 foi a inovação, onde 53% das empresas investiram na melhoria ou na modernização de seus processos produtivos e na criação de novos produtos.

Dessas, 36% investiram na melhoria dos processos produtivos, 13% buscaram a introdução de novos produtos e 4% aplicaram em novos processos de produção.

A CNI indica também que a participação privada no investimento industrial cresceu, ao mesmo tempo que o aporte de bancos públicos diminuiu. A participação dos bancos privados no aporte financeiros das indústrias de grande porte aumentou de 8% para 13% em 2018. No mesmo período, a fatia dos bancos públicos de desenvolvimento recuou de 10% para 7%.

Por que grandes indústrias tiveram baixo desempenho nos investimentos?

Observa-se que o ano de 2018 foi frustrante do ponto de vista dos investimentos em grandes indústrias. Para a CNI, essa frustração se deve a variados fatores, tendo como principal fator a decepção com a retomada da economia.

Em 2018, o crescimento da demanda por produtos ficou abaixo do esperado, tendo como motivo central o elevado desemprego que ainda assola o país. Além dessa questão, o gerente-executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, afirma que as incertezas no mercado interno e externo contaminaram boa parte do ano de 2018, elevando os riscos do investimento.

O economista da CNI explica também que é preciso considerar que a maior parte dos investimentos em grandes indústrias é financiada com capital próprio. “Como elas estão com situação financeira mais debilitada do que em anos anteriores, o investimento naturalmente ficou prejudicado”, acrescenta Castelo Branco.

O economista da CNI destaca ainda que a recuperação do investimento é parte central da retomada do crescimento sustentado das indústrias brasileiras:

O investimento em uma nova fábrica, ou nova linha de produção, gera muito mais emprego do que a reativação de uma máquina parada. A geração mais robusta de empregos será capaz de aumentar a renda e o consumo. Isso estimula novos investimentos e realimenta o ciclo virtuoso do crescimento”, afirma Castelo Branco.

O que as grandes indústrias podem esperar para 2019?

Ainda não há resultados sobre o volume de investimentos realizados por grandes indústrias no Brasil para o ano de 2019, mas tudo indica que as expectativas são bastante positivas, com o setor podendo esperar boas notícias.

e-Book Indústria 4.0 e os desafios do setor

Segundo a pesquisa da CNI, oito em cada dez indústrias de grande porte tinham o planejamento de investir em 2019, número semelhante aos 81% registrados 2018, mas muito acima dos 67% de 2017 e dos 64% de 2016.

Os empresários do setor dizem que a expectativa de crescimento do consumo, aliadas aos avanços tecnológicos são importantes estimulantes para a intenção de realizar investimentos em 2019.

Entre as indústrias que pretendem investir, 57% afirmaram que a perspectiva de aumento da demanda vem motivando o andamento de projetos. Fatores técnicos, tais como a tecnologia, mão de obra e matéria-prima disponíveis, foram estímulos para 41% das empresas que pretendem investir, especialmente para conquistar o mercado interno.

Por outro lado, a pesquisa da CNI mostra ainda que a regulação e a burocracia em excesso, além da falta de recursos financeiros são fatores que ainda interferem nas decisões de investimentos para este ano.

Dessa forma, tais perspectivas mostram que, mesmo diante dos problemas do Brasil, há grande otimismo para os investimentos de grandes industrias no Brasil, indicando avanço na recuperação econômica do setor industrial brasileiro.

Quer saber mais? Então conheça as possibilidades da adoção da realidade aumentada aplicada na manutenção industrial neste conteúdo exclusivo.

Novidades para setores da indústria: Brasil pode crescer até 3% em 2019

Novidades para setores da indústria: Brasil pode crescer até 3% em 2019

Os setores da indústria, que já vinham em crescente empolgação após ter registrado um crescimento de 2,5% após os últimos 3 anos, agora têm mais motivos para comemorar: é que o país pode obter um desenvolvimento de até 3% no ano de 2019.

Para isso, no entanto, um longo caminho de trâmites e realizações no ajuste de contas públicas devem ser avaliados. Só que a notícia, por si só, já é um alento após seguidos anos de estagnação nos mais diversos setores da indústria. Dê só uma olhada!

E-BOOK MARKETING INDUSTRIAL COMO GERAR NOVAS VENDAS

Como o ano no país tem sido especulado e projetado?

O novo governo — que se inicia em 2019 — não terá uma tarefa fácil à frente. De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o ajuste das contas públicas é o grande (e o principal) desafio.

Afinal, após anos de ecos da crise econômica e política ecoando através do planalto, o desequilíbrio nas contas se tornou uma constante, e cada vez mais grave.

O Informe Conjuntural ainda aponta alguns dados que pode, a princípio, estremecer os empreendedores de diversos setores da indústria. Um exemplo: a dívida pública ainda pode alcançar a média de 77,1% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Inclusive, para 2018 a expectativa é que fechemos o ano em 1,9% do PIB. O que nos mostra um desequilíbrio evidente entre as receitas geradas e as despesas acumuladas.

Ainda de acordo com o informe, “em 2018 completaremos o quinto ano seguido de déficits primários expressivos, o que levou ao aumento de 25 pontos percentuais na relação da dívida pública/PIB. Esse quadro precisa ser revertido”.

Por que o Brasil pode crescer até 3% em 2019?

Com base nessas projeções, voltamos ao início do tópico anterior: o novo governo terá uma tarefa hercúlea em mãos. as incertezas, os temores e os déficits que tanto assolaram o país, ao longo dos últimos anos, devem ser revistos para impulsionar o crescimento no país novamente e desenvolver qualitativamente os setores da indústria.

Com isso, avaliou-se que a indústria pode ter um aumento a partir de algumas ações pontuais do novo governo. Entre elas, o limite para os gastos com base na manutenção da Emenda Constitucional 95.

A CNI aponta, ainda, que a contenção nos gastos depende de reformas que, se não estão aprovadas, ao menos já transitam no processo de tramitação no Congresso Nacional.

“É, portanto, possível avançar nessas discussões com sucesso, aprovando a reforma da Previdência e os projetos que tratam da remuneração dos servidores públicos. Ambos são cruciais para reduzir o ritmo de expansão das despesas primárias”, elucida o Informe Conjuntural.

Setores da indústria

Ou seja: esse crescimento apontado no título do artigo — de que o país pode crescer até 3% em 2019 — está sujeito à realização das reformas necessárias e de um ajuste fiscal de longo prazo que contribua significativamente com a eliminação do déficit.

“O novo ambiente de crescimento permitirá ações mais ousadas na agenda da competitividade – como uma reforma na tributação sobre o consumo e da renda das pessoas jurídicas – que potencializarão o ritmo do novo ciclo de crescimento”, conclui o estudo.

Só que, para além das investidas governamentais em soluções para o desenvolvimento dos setores da indústria, muito já pode ser feito para antecipar a ansiada bonança. Para isso, convidamos você a conferir, também, outro artigo nosso que aponta os benefícios do marketing automotivo nas estratégias digitais!

Gestão do processo de vendas: dicas para possuir o melhor resultado em sua indústria

Gestão do processo de vendas: dicas para possuir o melhor resultado em sua indústria

A gestão do processo de vendas é uma maneira de gerar produtividade com baixos custos e, ainda, otimizar todo o fluxo de trabalho.

Especialmente, quando os gestores da indústria em questão sabem como funciona o seu negócio, identificaram o perfil dos seus profissionais e estão atentos às transformações do setor para antecipar demandas e necessidades.

Que tal vermos, então, como o marketing e vendas podem se equilibrar para criar impactos de grande relevância para o seu negócio? Para isso, basta seguir com esta leitura e entender como criar e sustentar a sua gestão do processo de vendas!

Onde você está errando no  processo de vendas da sua indústria? Descubra agora com nosso CHECKLIST EXCLUSIVO! | Agência Labra

O que é o processo de vendas?

Vender mais! Aí está o sonho de consumo de todo empreendedor. E, embora o marketing industrial permaneça como uma estratégia elementar, nesse sentido, não basta o investimento em divulgação sem ter um processo de vendas qualificado para atender a esse conjunto de tecnologias e técnicas.

Assim, chegamos ao cerne da questão: o que é o processo de vendas? Trata-se, em resumo, de ter um fluxo de trabalho muito bem definido — da atração de clientes à abordagem, relacionamento e, por fim, as ações de pós-vendas para cada etapa dessa jornada que o seu público-alvo trilha até adquirir os seus produtos ou serviços.

E no que implica esse mapeamento? Aí vão algumas questões interessantes:

  • a gestão do processo de vendas facilita o treinamento e a integração de novos colaboradores;
  • os erros na operação são reduzidos — ou mesmo erradicados;
  • ocorre menos desperdícios de trabalho ou perda de tempo com abordagens infrutíferas;
  • a produtividade é aumenta;
  • o relacionamento com o cliente é otimizado por meio de argumentos personalizados;
  • a experiência de compra é ágil, dinâmica e eficiente, promovendo o fechamento de novas — e mais — vendas;
  • a reputação de sua marca é valorizada.

Ou seja: a partir de uma organização dos seus próprios processos, é possível criar uma rotina blindada contra imprevistos e que, gradativamente, fortaleça a sua marca no mercado.

Como trabalhar a gestão do processo de vendas na empresa?

Para saber se o desafio vai ser grande ou pequeno, em organizar a sua gestão do processo de vendas, atente-se em responder a algumas questões:

Os seus recursos estão sendo bem utilizados?

Ou seja: existe desperdícios no tempo investido pela sua equipe, no espaço físico, nas ações de inbound marketing industrial ou mesmo na quantidade de funcionários na empresa?

Ter controle sobre todo o trabalho que compete à sua organização é fundamental para elaborar e lidar com a gestão do processo de vendas. Comece por aí.

Você sabe quais métricas acompanhar?

Isso vale tanto para o tópico anterior quanto para idealizar o seu processo de vendas. As métricas, afinal de contas, são indicadores do que funciona, do que está carente e do que pode ser complementado com ações estratégicas para render mais.

Algo determinante, portanto, para estabelecer metas, planejar as etapas e compor o passo a passo para o seu processo de vendas ser otimizado.

Quantos clientes em potencial são perdidos? E por quê?

A gestão do processo de vendas é potencializada quando essa questão é devidamente respondida. Ao entender as rejeições e negações do consumidor, a sua equipe se qualifica a avaliar as melhores soluções para cada uma delas.

Você sabe se possui um processo de vendas definido?

Antes de colocar em prática qualquer planejamento que envolva marketing e vendas ou, ainda, de orientação aos vendedores, pense se você já mapeou todo o processo.

No geral, as etapas são formadas pelas seguintes fases:

A partir desse trabalho, você já sabe como organizar e, posteriormente, trabalhar com a gestão do processo de vendas. Que tal vermos, então, como isso pode ser ainda mais valorizado?

 

Como aprimorar a gestão do processo de vendas?

Abaixo, reunimos algumas dicas pontuais para que a sua gestão de vendas já tenha início com a menor quantidade possível de atritos e obstáculos. veja só:

Considere sempre o seu cliente

O seu processo só vai ser muito bem definido quando estiver profundamente alinhado à jornada de compra do seu público-alvo.

Para isso, pesquise quais são as necessidades, os objetivos e os desafios deles. Aprenda como eles se comportam com o surgimento de um problema, a realização de como resolvê-lo e a identificação de soluções. Assim, você vai ter alternativas para abordá-lo, relacionar-se com ele e apresentar os seus serviços ou produtos no devido tempo.

Simplifique

Uma boa gestão do processo de vendas não é complexa ou cheia de etapas: é simples, objetiva e funcional.

O intuito maior, aqui, é a padronização para que a sua equipe sempre esteja preparada para resolver imprevistos, solucionar o problema de um consumidor e, ainda, dissolver as inseguranças e rejeições levantadas por ele. E isso só ocorre por meio do mapeamento mais objetivo possível do seu processo de vendas.

Direcione, não imponha

Um dos grandes trunfos do marketing digital, atualmente, é a facilidade com a qual podemos abordar e interagir, e direcionar o consumidor à venda, sem forçar a barra.

Para isso, existem conteúdos relevantes, ações digitais de marketing e tecnologias que mantêm o usuário no controle de suas ações, mas que guiem-no à sua empresa e soluções.

Do contrário, você corre o risco de apressar um processo que leva tempo, e que varia de acordo com cada cliente em potencial.

Monitore os resultados

Por fim, não se esqueça que a gestão do processo de vendas é mutável, está em constante transformação. Afinal de contas, ele é gerido com base no perfil do seu público.

E é aí que os indicadores vão fazer toda a diferença. Fique sempre de olho nas métricas e descubra como esses resultados podem ser potencializados com base nas suas estratégias e no suprimento de demandas criada pelo seu consumidor.

E aí, que tal levar as nossas dicas para a sua mesa de trabalho, agora, e compor o planejamento da gestão do processo de vendas? Fique também com a nossa sugestão de leitura para aprender como o marketing de performance permite que você invista menos e alcance resultados melhores no seu negócio!

[e-book] As melhores estratégias para aumentar as vendas na indústria | Baixar grátis | Agência Labra

Gerando competitividade com Marketing Industrial

Gerando competitividade com Marketing Industrial

O setor industrial pode encontrar, na internet, uma alternativa de alto rendimento para aumentar sua produtividade, atrair mais clientes e gerar mais renda. Isso porque o marketing industrial é o perfeito equilíbrio entre as principais tecnologias e técnicas de divulgação e o perfil do seu público-alvo.

Pois há de se dizer que o consumidor do segmento difere do público-alvo do comércio, por exemplo. O marketing industrial é a construção de um relacionamento com quem conhece o setor, mas não sabe como alcançar seus clientes em potencial e se fazer presente para eles.

Até por isso, uma agência de marketing digital tem sido a opção mais em conta para gerar essa presença digital, criar vantagens competitivas e se destacar em seu meio de atuação. Quer entender um pouco mais a respeito da relevância do marketing digital? Basta seguir com esta leitura!

O que é o marketing industrial

O conceito de marketing industrial é pautado pela orientação e sentido dados às ações de impacto para divulgar o seu negócio. Acontece que, diferentemente das técnicas convencionais de marketing, tais estratégias são planejadas para integrarem o presencial e o digital, que é onde a sociedade mais está concentrada atualmente.

A influência do meio digital

Esse tipo de investida tem fundamento: o consumidor — inclusive, o seu público-alvo — pesquisa mais com o auxílio da internet. E pesquisa primeiro nos buscadores mais populares, como o Google. E, por meio do marketing industrial, você se apresenta entre os principais resultados das pesquisas feitas por clientes em potencial de sua empresa.

Com isso, você consegue expandir o alcance de sua marca sem sair de sua zona de atuação. Sem falar que pode entrar no radar de novos fornecedores e parceiros que permitem o desenvolvimento de ações estratégicas para alçar novos objetivos e metas. Além, é claro, de dar um significativo passo evolutivo para colocar o segmento industrial no universo online.

Os benefícios do marketing industrial

Com ou sem a ajuda de uma agência de marketing digital, a sua indústria pode se relacionar melhor com o consumidor. Afinal de contas, a produção de conteúdo relevante para o seu público — pilar fundamental de uma estratégia de marketing industrial — é focada justamente nas necessidades, objetivos e carências desse perfil.

Quanto mais você atender a essa demanda gerada por eles, em suas pesquisas online, mais sua indústria será reconhecida como autoridade no assunto. As pessoas vão pensar em você, primeiro, diante de uma nova demanda ou situação que possa ser suprida pelos seus serviços ou produtos.

Por isso, o marketing industrial trata de vendas, mas não diretamente. Trata de divulgação, mas agregando valor à sua marca. É uma ferramenta de relacionamento, mas atraindo o cliente até você, e não o contrário.

Dessa maneira, você tem à disposição soluções tecnológicas que contribuem ativamente para gerar mais eficiência e precisão no investimento com marketing. Consequentemente, o retorno desse investimento é ainda maior, tornando o marketing industrial uma alternativa certeira, acessível e em contínua transformação para fornecer resultados melhores.

E isso tudo nos leva a um significativo momento para que você se identifique com o marketing industrial: é a principal maneira para se diferenciar da concorrência e construir um legado digital do sucesso de sua indústria, gerando, assim, mais valor para o cliente.

Quer entender mais a respeito do marketing industrial? Então, entre em contato conosco e descubra como uma agência de marketing digital especializada no seu setor de atuação pode construir soluções verdadeiramente personalizadas!

Pin It on Pinterest