De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), a indústria alimentícia no Brasil terá um crescimento de 2,5% a 3% em 2019, índice bastante positivo para a área.

Esse crescimento mostra que, mesmo tendo apresentado perda relativa de importância nas últimas décadas, a indústria alimentícia no Brasil ainda conserva um peso significativo no ramo industrial, gerando empregos, contribuindo com as exportações e alimentando milhares de brasileiros.

Mas, apesar das expectativas serem muito positivas, esses números não significam que não há desafios a serem superados.

Por isso, é importante que os líderes do setor conheçam os desafios e oportunidades dentro do setor, motivando um crescimento da indústria alimentícia no Brasil mais sustentado e com resultados positivos contínuos.

Para entender melhor este setor, acompanhe o conteúdo com a gente!

[e-book] As melhores estratégias para aumentar as vendas na indústria | Baixar grátis | Agência Labra

Panorama do setor da indústria alimentícia no Brasil

O ano de 2019 já passou da sua metade, mas tudo indica que as estimativas do início do ano, que eram bastante otimistas, estão se confirmando.

Puxada por indicadores econômicos, pela elevação nas exportações e pela retomada do mercado interno, a aguardada retomada do crescimento do setor alimentício brasileiro enfim começa a mostrar resultados. As estimativas indicam que no ano de 2019 a indústria alimentícia do Brasil terá um crescimento que tende a variar entre 2,5% a 3%.

Além disso, há outras estimativas que mostram a recuperação do setor. As vendas reais, por exemplo, devem aumentar de 3% a 4% quando comparado ao ano de 2018.

As exportações também tendem a se elevar, podendo chegar aos US$40 bilhões, ou seja, movimentando mais de US$109,59 milhões por dia. Já o emprego será outro beneficiado, em 2018 foram geradas cerca de 13 mil novas vagas de trabalho e a expectativa para 2019 é que esse número chegue a 40 mil novas vagas.

Diante desse otimismo, o presidente da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (ABIA), João Dornellas acredita que os resultados do ano de 2019 pode superar até as expectativas mais animadoras.

A melhora no poder aquisitivo da população, aliada à inflação controlada e ao crescimento econômico, são fatores capazes de incentivar uma taxa de crescimento ainda mais acentuada podendo, inclusive, superar o desempenho projetado para o PIB brasileiro”, prevê Dornellas.

Apesar das ótimas expectativas, há ainda muitos desafios

Como já visto, as estimativas para a indústria alimentícia no Brasil em 2019 são bastante otimistas. Mas ainda há muitos desafios que precisam ser superados para que as estimativas se confirmem.

No mundo todo, a indústria de alimentos costuma ser bastante dinâmica, passando por inúmeras transformações a fim de acompanhar as maiores tendências relacionadas ao setor. O Brasil apresenta o mesmo dinamismo.

Nesse sentido, é necessário que a indústria alimentícia do Brasil conheça os desejos, prioridades e objetivos do consumidor do mercado interno e externo, pautando suas ações para cumprir essas novas demandas de consumo dentro de um cenário altamente competitivo.

A burocracia em excesso, o ainda ineficiente serviço de fiscalização sanitária e o imenso desperdício nas fases de produção em geral, fabricação e distribuição são outros importantes obstáculos que a indústria alimentícia brasileira precisa vencer.

Superar tais desafios significará avançar dentro do setor, além de melhorar o potencial de competitividade das indústrias.

Prioridades da indústria alimentícia brasileira

Baseado no contexto de intensa preocupação com os desejos do consumidor, a indústria alimentícia no Brasil deve se pautar em algumas prioridades diretamente ligadas às novas demandas de consumo em um cenário de alta competitividade.

Tais prioridades terão relação com a saudabilidade e redução de açúcares, ampliação do portfólio “saudável” e elevação dos investimentos em P&D e em marketing.

  1. Redução de açúcares é pauta central dentro do setor

A busca por uma alimentação mais saudável tem orientado as empresas alimentícias em todo o mundo. No Brasil, não é diferente e a redução de açúcares se tornou uma importante pauta. Por isso a indústria alimentícia no Brasil, em parceria com o ministério da saúde, elaborou o Plano de Redução de Açúcares.

Esse plano visa a retirada gradual de açúcares de categorias de alimentos industrializados, divididas em 5 categorias: bebidas adoçadas; biscoitos; bolos e misturas para bolos; achocolatados em pó e; produtos lácteos.

  1. Ampliação do portfólio baseado na saudabilidade

Ainda considerando a alimentação saudável, a indústria alimentícia no Brasil tem se mostrado comprometida em promover ações mais concretas no combate a obesidade. Por isso, investem na inovação do seu portfólio e adequação às necessidades atuais do consumidor.

Tais indústrias começam a realizar diversas mudanças que passam por:

  • Alterações no perfil nutricional:
  • Porcionamento dos produtos; e
  • Redução voluntária de sódio, gorduras trans e açúcares.

Essa é uma ação voluntária do setor, que já retirou 310 mil toneladas de gorduras trans dos alimentos e, de forma gradual, 17 mil toneladas de sódio em 35 categorias de alimentos industrializados e as expectativas de retirada são ainda maiores para os próximos anos.

  1. Investimento em P&D em inovação e marketing

Na atualidade, vem sendo cada vez maior a busca por alimentos que contribuem para a saúde dos olhos, outros para o fortalecimento da memória e os que ajudam na redução do colesterol e controle da pressão arterial.

Para atender esses consumidores, o investimento, por parte da indústria alimentícia no Brasil, deve se basear na área de P&D para a criação de produtos cada vez mais inovadores e alinhados com as tendências mundiais de consumo.

Aliado ao desenvolvimento de novos produtos as indústrias precisam investir em marketing dentro do setor de alimentos. Tais investimentos em marketing devem se basear em:

  • Comunicação personalizada e integrada, conhecendo o consumidor;
  • Máxima transparência;
  • Maior interação digital com o consumidor, via mídias online e força do conteúdo;

Por fim, é sempre importante lembrar que entender o comportamento do consumidor será sempre fundamental para que a indústria alimentícia no Brasil cresça de forma sustentada e supere as expectativas.

Descubra onde você está errando no processo de vendas da sua indústria! Clique aqui | Agência LABRA

Gostou? Então aproveite e saiba mais sobre a importância da Indústria 4.0 e seus efeitos no desenvolvimento do Brasil.23

Pin It on Pinterest

Share This