A indústria 4.0 é uma realidade consolidada e, hoje em dia, estamos testemunhando uma série de soluções que pode reinventar a produtividade, a economia e, inclusive, a gestão de segurança e saúde no trabalho.

E não pense que isso significa pouco para o setor, como um todo: em média, saúde ocupacional e planos de saúde tendem a corresponder a 12% da folha de pagamento das empresas.

Muito tem sido feito, portanto, para agregar mais valor à produção industrial. Por isso, neste post vamos ficar por dentro do quanto a tecnologia está participativa na gestão de segurança e saúde no trabalho. Boa leitura!

O custo da gestão de segurança e saúde no trabalho para a indústria

De acordo com Emmanuel Lacerda, gerente-executivo de Saúde e Segurança na Indústria do Serviço Social da Indústria (SESI), esses custos devem demandar, em curto prazo, “ (…) um controle maior dessas questões já que, com o envelhecimento da população, os custos com saúde devem aumentar ainda mais. Melhorar a eficiência na gestão de saúde dos trabalhadores é prioridade das empresas”.

[E-Book] As melhores estratégias para aumentar as vendas na indústria | Baixe gratuitamente | Agência Labra

O próprio SESI tomou a frente da questão. Em fevereiro, o eSocial: Integrações entre o SESI VIVA+ e sistemas de folha reuniu empreendedores e especialistas do setor de tecnologia para apresentar algumas soluções nesse sentido e aprimorar a gestão de segurança e saúde no trabalho.

À ocasião, foi apresentada uma plataforma muito bem enraizada com a indústria 4.0: facilidade de integração entre tecnologias, agilidade e precisão na coleta e utilização de dados e até mesmo uma calculadora de gestão de custos relacionados à segurança e à saúde no ambiente de trabalho.

Para reduzir os custos das empresas sem que, com isso, impacte na qualidade de vida dos colaboradores, a plataforma cruza um banco de dados nacional (como a realidade nacional e critérios legais sobre o assunto) com as informações das próprias empresas, como:

  • Custo com ações focadas na saúde e na segurança dos profissionais;
  • Dados quantitativos de colaboradores que usufruem das medidas de segurança e saúde;
  • Hábitos dos trabalhadores;
  • Índices (como aquele relacionado ao afastamento de profissionais por conta de uma doença ou acidente).

Com essa tecnologia, a empresa passa a saber de forma precisa quais os principais desafios de saúde dos seus trabalhadores e poderá canalizar recursos para ações que darão mais resultados”, aponta o médico do trabalho do Centro de Inovação SESI em Economia para Saúde e Segurança, Cláudio Patrício, que tem participação ativa na elaboração dessa solução.

A importância de soluções desse tipo

Com uma projeção ficada no lançamento da plataforma até o final de 2019, o SESI pretende dar uma guinada ao setor, aproximando as indústrias ainda residentes na era da internet 1.0 das grandes revoluções tecnológicas do setor.

A ideia dessa plataforma tem como principal objetivo o uso estratégico de informações para o planejamento e uma tomada de decisão mais assertiva em assuntos sobre a gestão de gestão de segurança e saúde no trabalho.

Gestão de segurança e saúde no trabalho na indústria | Agência Labra

Para tanto, o SESI tem se reunido com empresas de diferentes áreas — e com real interesse em soluções desse tipo — para garantir total eficácia na sua plataforma.

Nesse contexto, o órgão tem trabalhado em diferentes frentes para alcançar esse objetivo. São elas:

  • Economia em saúde e segurança por meio da identificação de gastos desnecessários;
  • Fatores psicossociais, que interferem gradualmente na produtividade dos profissionais;
  • Aumento do controle de agentes químicos e produtos nocivos à saúde;
  • Soluções para a redução do afastamento em decorrência de doenças ou acidentes de trabalho;
  • Inovações para promover o envelhecimento ativo;
  • Metodologias e soluções para melhorar a ergonomia no ambiente produtivo.

Vale destacar que o SESI permanece em contato — e à espera de novos contatos — para coletar mais amostras significativas para o seu banco de dados.

Com isso, obtém-se um aliado de peso para aumentar, qualitativamente, a gestão de segurança e saúde no trabalho. E, se você estiver em busca de mais informações a respeito do momento que vive a indústria nacional, confira nosso post com as perspectivas para 2019 associadas às indústrias têxteis no Brasil!

Pin It on Pinterest

Share This