Planejamento de Marketing: como elaborar e acompanhar

Planejamento de Marketing: como elaborar e acompanhar

Um bom planejamento de marketing é essencial para qualquer negócio, seja ele pequeno, médio ou grande porte. Esse planejamento tem como principal função controlar os custos dos investimentos e garantir que cada tarefa seja cumprida e metrificada.

Por isso, é importante que cada ação do seu planejamento de marketing seja mensurável e esteja dentro do orçamento estipulado para marketing em sua empresa.

O planejamento ou plano de marketing, ao contrário do que muitos pensam, não precisa ser extenso. Porém, é importante acompanhar e seguir a estratégia para que o operador do projeto ou empreendedor de negócios, consiga entender e registrar se as ações de marketing deram ou não certo.

O plano de marketing consiste em 3 grandes etapas, que são: planejamento, implementação e avaliação. Vamos lá?

[e-book] As melhores estratégias para aumentar as vendas na indústria | Baixar grátis | Agência Labra

1ª Etapa: Planejamento:

É nesta etapa que se inicia o planejamento de marketing. Aqui, você irá definir o seu negócio. Como por exemplo, onde está a sua empresa e onde pretende chegar? Para poder responder esta pergunta você precisa primeiro:

1.1 Sumário executivo: Fazer um Sumário Executivo, que nada mais é do que um resumo do seu plano de marketing. Neste resumo deve constar quais são as principais características do seu negócio.

Exemplo: a situação presente da sua empresa, os objetivos e estratégias que você pretende alcançar e, quais serão os esforços necessários. Este sumário deve estar no início do plano de marketing, mas por se tratar de um resumo, deverá ser escrito depois que o plano estiver pronto.

1.2 Análise de ambiente: Este é definitivamente o primeiro passo do seu plano de marketing. A análise de ambientes consiste em você identificar as principais consequências, as positivas ou negativas do seu negócio. Nesta etapa você avalia:

Ambientes externos (oportunidades e ameaças): Neste momento você relaciona alguns fatores externos que podem impactar nos objetivos e metas da sua empresa, tais como:

  • Fatores econômicos;
  • Sócio-culturais;
  • Fatores políticos/legais.

Os ambientes internos: nesta etapa você avalia os fatores internos (forças e fraquezas), ou seja, o que a sua empresa tem de força ou fraqueza perante as oportunidades e ameaças de mercado.

Para fazer essa análise, os fatores a serem considerados são: 

  • Fatores tecnológicos;
  • Concorrência;
  • Fatores internos.

Para finalizar esta etapa do Planejamento de Marketing, é necessário você juntar os dados e entender como está o cenário da sua empresa no mercado em que está inserida. 

1.3 DEFINIÇÃO DO PÚBLICO-ALVO:  Definir o seu público-alvo nada mais é, do que segmentar o seu público. Ou seja, entender para quem você vende/ou presta serviço.

O mercado é composto por um público amplo com diferentes necessidades, hábitos e desejos. E, para entender o seu público-alvo, você deve dividir e agrupar os consumidores nos seguintes fatores:

Geográficos: Qual é a região, cidade ou país que você vai atender? Aqui você compreende o tamanho do seu potencial de mercado.

Demográficos: Separa seu público da seguinte forma: 

  • Pessoa Física: por faixa etária, sexo, profissão, renda, idade e educação; 
  • Pessoa Jurídica: ramos de atividade, serviços e produtos oferecidos, número de empregados, entre outros.

Psicográficos: Que estilo de vida seus clientes costumam ter? e suas atitudes? aqui você responde a essas perguntas.

Comportamentais: Os fatores comportamentais são por exemplo, hábitos de consumo, o que costumam comprar, qual a frequência, onde busca informação, quais são os principais estímulos de compras e, entre outros.

1.4 POSICIONAMENTO DE MERCADO:

Aqui você define como quer ser visto pelo seu público. O que você quer transmitir ao seu cliente, quando o cliente vê o seu negócio? Isso deve estar claro e muito bem definido para que seus clientes e concorrentes consigam enxergar e entender a principal vantagem de ir até a sua empresa e não até o concorrente.

1.5 DEFINIÇÃO DA MARCA:

A marca é o rosto da sua empresa, a identidade que ela passa e a imagem que ela transmite. Dentro do Planejamento de Marketing ela é muito importante, pois é através dela fundamentais antes de você definir a sua marca.

Com elas é possível você entender onde você está, e com o conhecimento do público-alvo e mercado, você consegue definir como você quer ser visto.

A marca deve transmitir o que é o seu negócio e que mensagem você quer passar para seus clientes. Aconselhamos também a ficar atento ao criar a sua logomarca, para que ela seja atemporal e que fique de acordo com o posicionamento de mercado que você definiu anteriormente.

1.6 DEFINA SEUS OBJETIVOS E METAS:

O que é um Planejamento de Marketing sem objetivos e metas? Aqui você define quais os resultados que você quer alcançar nos próximos meses ou ano.

É importante definir objetivos claros e metas mensuráveis para seu negócio. Lembre-se de se basear sempre na missão e valores da sua empresa.

1.7 DEFININDO AS ESTRATÉGIAS DE MARKETING:

Para que o planejamento de marketing aconteça, é essencial você definir estratégias de marketing. Com a estratégia de marketing, você define como a sua empresa alcançará seus objetivos e, as metas citadas anteriormente.

Para que isso seja compreendido, é interessante que alguns compostos de marketing — produto, preço, praça, promoção e pessoas — estejam alinhados. Vamos falar um pouco sobre eles para que você possa entender:

Produto: O produto pode ser um bem tangível (produto) ou intangível (serviço). É o que você oferece ao seu cliente, seu diferencial de mercado, suas principais característica e, entre outros. 

Preço: O preço é o que define quanto que vale o seu produto ou serviço perante ao seu consumidor. O seu preço deve pagar os custos do seu produto ou serviço e você necessita entender se seu público-alvo está disposto a pagar por isso.

Praça: Aqui, significa como e onde você colocará o produto ou serviço a disposição do seu cliente. Deve ser definido a localização, estrutura adequada, e canais de distribuição do seu produto. Caso seja serviço, você faz essa análise perante ao seus fornecedores.

Promoção: A promoção é como você vai ofertar seu produto ou serviço. Tem como principal objetivo informar os clientes sobre sua existência, bem como suas principais vantagens. Na promoção você também deve informar onde o cliente pode encontrar seus produtos ou serviços.

Pessoas: Os colaboradores e pessoas que auxiliam no seu negócio são essenciais para o sucesso da sua empresa. Elas serão responsáveis por um atendimento de qualidade ou não. Bem como encarregadas pela qualidade do serviço prestado. Portanto, são peças fundamentais a serem avaliadas nesta etapa do planejamento de marketing.

2ª Etapa: Implementação do Plano de Marketing

Agora que você já entendeu o que precisa estruturar no planejamento de marketing da sua empresa, é hora de colocar a mão na massa, vamos lá?

A implementação do plano de marketing é etapa que define como você irá executar as ações e estratégias definidas no seu planejamento de marketing, para daí sim, poder alcançar seus objetivos.

Para isso, é necessário montar um Plano de Ação composto por:

2.1 Ações (o que)

Liste as atividades específicas que você deseja desempenhar.

2.2 Período (quando)

Defina um prazo para cada tarefa/atividade.

2.3  Como

Defina como você executa cada atividade. De preferência em sequência e em ordem de prioridade.

2.4 Responsável (Quem)

Liste aqui quem será responsável por cada tarefa. É importante avaliar quem é o mais indicado para esta atividade.

2.5 Custo (Quanto)

Defina quais serão os custos para realizar cada ação. É importante que a sua empresa defina uma % a partir do faturamento total para os investimentos em marketing. A partir deste valor você consegue distribuir melhor a verba dentro das suas ações e não extrapolar a quantidade.

3ª Etapa- Hora de avaliar e controlar

Agora é hora de avaliar o seu plano e controlar. O planejamento de marketing é importante para você entender se o que você planejou está sendo executado de forma correta e atingindo os seus objetivos.

Nesta etapa, você consegue entender se conseguiu realizar o que planejou e, o que falta para chegar até lá. Com esta avaliação você pode tomar ações corretivas e de melhorias durante o período, gerindo sua empresa com passos firmes.

Finalizamos as principais etapas de um Plano de Marketing. Com essa estrutura é possível você direcionar a sua empresa de forma sustentável e consciente das consequências mercadológicas.

Podendo assim, minimizar riscos e definir ações que são de extrema importância para a sua empresa se destacar no mercado. Além disso, é importante que você revise seu plano de marketing para acompanhar as mudanças de mercado e tomar novas ações.

[e-Book] Buyer Persona Guia completo para jornada de compra | Baixar grátis | Agência Labra

Nós da Agência LABRA, dispomos de profissionais capacitados para auxiliar a sua equipe de marketing a realizar de forma efetiva o Planejamento de Marketing que a sua empresa definiu. Entre em contato conosco e saiba como podemos auxiliar você a alavancar o seu negócio.

 

ConteĂșdo no site Ă© importante?

ConteĂșdo no site Ă© importante?

Ter conteúdo para site é importante? Para muitos pode passar despercebido, mas é fundamental e indispensável para você conseguir se posicionar organicamente na internet. 

Hoje, o Google é o principal protagonista das buscas na internet. Para que seu site seja encontrado pelo motores de buscas, não adianta ter apenas um design bonito, mas sim, uma configuração técnica, uma boa otimização por trás do seu site. E isso, envolve diretamente conteúdo no site. 

Pontos que identificam um site sem conteúdo: 

  • Se você possui um site e não aparece na internet;
  • Se o seu site possui um volume baixo de acesso;
  • Quando alguém procura pelo que você oferece e não aparece seu site;
  • Seu site possui um design bonito mas ninguém encontra. 

Se o seu site se encaixar em qualquer destes pontos, está na hora de rever seus conceitos sobre conteúdo, e começar aplicar essa estratégia. 

A construção do conteúdo no site

Muitas empresas quando optam em criar um novo site, se preocupam muito com o design mas esquecem do mais importante, o CONTEÚDO.

A construção de conteúdo no site é um dos maiores problemas que enfrentamos aqui na LABRAQuando vamos desenvolver novos sites, as empresas não possuem conteúdo, e quando possuem, é necessário passar por uma reformulação para deixá-lo na linguagem digital e otimizado para os motores de busca poderem localizá-los.

Para produzir um conteúdo de qualidade e bem otimizado, antes de tudo, é necessário planejamento e pesquisa para entender como o seu possível cliente procura seu produto ou sua empresa no mundo online. 

A partir disso, se inicia a construção do conteúdo, a criação da pauta, um título que estimule a leitura, palavras-chave que auxiliem na indexação do conteúdo, URL, e muitos outros detalhes que ajudarão este conteúdo ser localizado pelos motores de busca.

Agora vamos dar dois exemplos de clientes que deram certo ao usarem o conteúdo como estratégia para serem encontrados nos motores de busca. 

Primeiro exemplo: pegamos o produto principal do cliente X, construímos uma página robusta, com bastante conteúdo otimizado, imagens, vídeos, meios que tornaram ainda mais diferenciada a página.

O resultado foi: levamos essa página, que estava na décima página do Google para a primeira. Mas para alcançar esse objetivo, teve otimização SEO

Segundo exemplo: ao contrário do exemplo anterior, o cliente Y já possuía um site e um blog, com diversos artigos escritos. 

Porém não havia nenhum conteúdo posicionado, isso devido a falta de otimização nos textos, e a falta de linguagem correspondente ao meio online. Isso, fazia com o que os motores de busca não utiliza-se o conteúdo como resposta às perguntas dos usuários. 

Como funciona um ranqueamento através do conteúdo

Tudo funciona de uma forma bastante simples, onde o usuário faz uma pergunta ao Google, e o robô do Google faz uma varredura para localizar a melhor resposta. 

Mas a grande inteligência por trás disso é colocar o seu conteúdo, o seu site ou seu blog, dentre as primeiras posições destas melhores respostas que o próprio Google classifica.

É isso que exige uma grande expertise desde o início de toda a construção do conteúdo, seja para uma página de um site, para uma página de conversão ou para um blog.

Existe uma série de fatores técnicos que farão o conteúdo do seu site estar lá nas primeiras posições, porém os 3 principais são: a otimização do conteúdo, o desempenho do site ou blog e o servidor onde está hospedado e, também o volume de acesso. Sem pelo menos esses 3 pontos estarem super bem configurados e funcionando, o seu conteúdo não será localizado. 

Você pode ter o melhor conteúdo de todos, mas sem estes fatores, de nada adianta, pois como já citamos, é um robô que faz esta busca pela melhor resposta, e não um ser humano. 

Então, o seu conteúdo precisa estar enquadrado dentro dos critérios de seleção que o robô do Google utiliza para ser localizado.

Abaixo segue um exemplo prático de um cliente nosso, que desde o início do nosso trabalho, focamos muito em conteúdo, tanto no site quanto no blog, permitindo este crescimento orgânico exponencial que conquistamos:

Gráfico de exemplo com o crescimento do cliente desde o inicio do trabalho com conteúdo no site | Agência Labra

Por fim, para você saber se o seu site ou blog está com um bom conteúdo, faça uma pesquisa no Google com o seu principal produto e veja se a sua empresa aparece organicamente, abaixo dos anúncios patrocinados e do maps.

Um exemplo com a própria LABRA, conforme imagem abaixo que mostra a nossa posição orgânica, buscamos por uma palavra chave específica, de um serviço que entregamos.

Ou seja pesquisando por “conteúdo marketing industrial”, estamos na primeira posição do Google, tirando a primeira posição da imagem abaixo, que se trata de um anúncio patrocinado.

image1 - Conteúdo no site é importante?

Gostou desse conteúdo? Leia também o nosso post sobre marketing de conteúdo e saiba como aumentar suas vendas com tráfego orgânico. 

Marketing digital: erros que provavelmente vocĂȘ estĂĄ cometendo

Marketing digital: erros que provavelmente vocĂȘ estĂĄ cometendo

Trabalhar com marketing digital significa estar o tempo todo, de olho em novas tendências e mudanças mercadológicas. Afinal, da noite para o dia, a sua estratégia certeira pode ficar obsoleta.

E, aí, aquilo que era certo se torna, lenta e gradualmente, um erro. Por isso, ainda que você tenha uma série de ações personalizáveis, é importante saber exatamente o que tem contribuído, ativamente, para o contínuo enriquecimento da sua relação com o consumidor.

Por isso, para este post, vamos mostrar para você os erros mais comuns do marketing digital, para que você não cometa eles e, aprenda a construir uma estratégia cada vez mais imune a riscos e imprevistos. Confira!

1. Falta de planejamento de marketing digital

Planejamento: sem isso, o marketing digital da sua empresa é uma série de tentativas e erros — algo que não condiz com o seu DNA.

Afinal de contas, toda a estratégia do marketing digital consiste em identificar a mensagem ideal, para a pessoa certa e no momento certo. Com isso, é importante saber, exatamente, o que dizer e para quem dizer antes de tentar qualquer estratégia.

Comece, portanto, avaliando os seus objetivos com o marketing digital, além de diagnosticar os desafios e também os meios mais alinhados às suas metas para que cada campanha atinja o resultado proposto — e para que nada venha em decorrência do acaso.

2. Ausência de uma persona definida

Além do objetivo, o seu marketing digital não vai evoluir se, antes, você não souber quem é a sua audiência. O público-alvo da sua marca é também conhecido como buyer persona, e é por meio do conhecimento desse perfil que você compõe todas as suas campanhas.

Por exemplo: ao saber profundamente quem é o seu consumidor, você entende quais são os termos que ele mais pesquisa, na internet, quais são os seus objetivos, necessidades, desafios e tipos de conteúdo que ele consome no dia a dia.

Como resultado, sua empresa pode compor todas as ações de marketing integrado com precisão.

3. A falta que faz uma jornada do cliente

Além do perfil do consumidor, destacamos acima a importância em saber as necessidades e desafios do seu público, certo? E todo esse percurso — entre descobrir que tem um problema à decisão de compra — é conhecido como a jornada do cliente.

No marketing digital, esse processo é definido assim:

  • Avaliação, que é a etapa na qual o seu cliente em potencial descobre que tem um problema e quer entendê-lo;
  • Consideração, que consiste na compreensão do problema e na busca inicial por soluções para resolvê-lo;
  • Decisão, que define o momento em que o seu cliente já sabe o problema e as soluções, bastando decidir-se pela sua empresa para auxiliá-lo.

Saber em qual etapa o seu consumidor está permite que se entenda o melhor tipo de abordagem. Não adianta empurrar os seus produtos e serviços, por exemplo, se esse cliente em potencial sequer saber qual é o problema que ele tem à frente.

4. Não investir em conteúdo qualificado

O marketing de conteúdo é um dos principais pilares do marketing digital. Por meio dele, tudo o que vimos aqui se traduz em soluções: a elaboração de conteúdos ricos e que respondam a todas as dúvidas do seu consumidor em potencial e que, lenta e gradualmente, vai convertendo-o em assíduo frequentador do seu site, blog e redes sociais.

Daí, inclusive, a importância mencionada em acompanhar os passos anteriores. O conteúdo é o rei do marketing digital, e ele só vai ser relevante se você conhecer, detalhadamente, tudo a respeito da sua persona.

Vale entender, ainda, que o marketing de conteúdo pode se desdobrar em diversos formatos de conteúdos, como:

  • Blog posts;
  • E-books;
  • Vídeos;
  • E-mail marketing;
  • Redes sociais — especialmente, aquelas em que os seus consumidores mais estão concentrados.

Isso tudo, é claro, baseando-se nas principais técnicas de SEO. Com isso, o seu marketing digital vai estar muito mais alinhado com as melhores práticas do mercado.

5. Não monitorar a performance de suas campanhas

Por fim, se existe uma lição valiosa de marketing e liderança que podemos deixar, é a seguinte: acompanhe o desempenho de suas campanhas com base nas métricas destacadas para os seus objetivos.

Com isso, não vai faltar tempo hábil para ajustar qualquer estratégia, avaliar novas ações e, inclusive, descartar o que não rendeu o esperado. Atente-se a esse ponto elementar para que as suas campanhas de marketing digital decolem e alcem voos cada vez maiores.

Quer ver um pouco mais sobre o assunto? Então, aproveite para entender, especificamente, como o marketing de conteúdo para indústrias pode ser uma campanha inteiramente diferenciada e personalizada para os seus negócios!

Como o Marketing funciona no B2B

Como o Marketing funciona no B2B

É possível que o marketing seja direcionado de acordo com o segmento de mercado que cada empresa trabalha. Hoje, existe o marketing B2C, direcionado para o comércio e bens de serviço para pessoas físicas e, o B2B, que são as transações entre as empresas.

Porém, hoje, queremos apresentar um pouco do funcionamento do B2B. Ele se caracteriza pela atuação em várias funções distintas no processo de venda e também de compra.

A prioridade primária do marketing B2B é capturar o lead, qualificá-lo de modo que ele possa ser preparado para receber a abordagem do setor de vendas da empresa.

Para ajudar ainda mais na compreensão, enquanto os clientes finais realizam a compra a partir do preço e da popularidade, as empresas, que são o foco do B2B, analisam questões como potencial de lucro e também preços. 

Vamos de exemplos

Se ainda não ficou tão claro o que o marketing significa, pense em empresas que realizam a venda de grandes máquinas para os mais diferentes segmentos, as quais não tem utilidade para o consumidor comum, como máquina de corte a laser e máquina de solda

Pensou? Pois bem, esses equipamentos podem ser extremamente úteis para outras empresas que realizam serviços e produções em grande escala e demanda.

É nessa hora que o marketing B2B entra em ação, para falar de forma direta com essas empresas e mostrar a importância de um bom equipamento e como adquiri-lo.

E com o crescimento das indústria da internet, o marketing industrial e B2B tem acompanhado e se mostrado uma estratégia extremamente boa. 

E quais são os benefícios?

Utilizado de forma estratégica e muito bem pensada, o aumento de lucros de uma empresa pode ocorrer por conta do marketing B2B, já que o alcance dos mais diferentes tipos de clientes e empresas pode acontecer.

Quando realmente feitas de forma eficaz, bem planejadas e estruturadas, as estratégias tendem a promover diferenciação de mercado de atuação, além de mostrar aos potenciais clientes a credibilidade da empresa. 

Um ponto importante para ser lembrado no marketing B2B, é buscar realizar uma comunicação que seja mais voltada para a garantia de desempenhos e resultados, bem mais do que o consumo/compra de algum produto.

Essa comunicação feita pelo marketing, precisa além de tudo, ser explicativa para o cliente, sendo detalhado e relevante para que ele consiga compreender de maneira eficiente o para o público. 

Os conteúdos mais extensos tendem a ser melhores no marketing B2B, exatamente pelo fato das altas explicações e detalhamento dos produtos e todo processo feito por uma indústria. 

Estratégias certeiras

Nada melhor do que dicas que funcionem para um marketing B2B certeiro. Para começar, é muito importante que seja feita uma análise de concorrentes e perceber o que pode funcionar também para o seu negócio, de uma forma diferente, e o que não. 

A segmentação do público também é muito importante. Se uma empresa vende equipamento de segurança individual, o público-alvo precisa ser os trabalhadores de ambientes com algum tipo de risco físico, não os de trabalhadores de escritório, por exemplo.

E a definição de metas é o que vai ajudar o marketing de fato deslanchar e conseguir os resultados desejados e esperados.

Por isso, não deixe de analisar todos os tipos de estratégias de marketing B2B para que o sucesso da sua empresa seja de fato eficaz e proporcionar todos os resultados esperados.

Fale com

4 dicas para medir melhor suas açÔes de marketing digital

4 dicas para medir melhor suas açÔes de marketing digital

Empresas que se interessam pelo crescimento promovido por meio das ações de marketing digital, podem se frustrar quando os primeiros resultados são negativos.

Mas, afinal de contas, você sabe o que não rendeu o esperado, no seu plano de ação, e quais métricas apresentaram um retorno relevante?

Ou seja: muita gente não desenvolve um planejamento focado nas suas características e necessidades e, por conta disso, não obtém o crescimento esperado. É por isso que, ao longo deste post, vamos apresentar 4 dicas que podem contribuir com uma resposta qualitativa de suas ações de marketing digital.

Boa leitura!

[e-book] As melhores estratégias para aumentar as vendas na indústria | Baixar grátis | Agência Labra

1. Defina as metas esperadas com as ações de marketing digital

Não basta planejar diversas ações de marketing digital sem, antes, saber quais são as suas metas. Afinal de contas, a quantidade de tráfego gerada em um só minuto, na internet, é imensa!

É fundamental, portanto, saber por onde começar definindo as suas metas. Dessa maneira, a filtragem de dados vai ocorrer com facilidade a partir do uso de técnicas e tecnologias focadas exclusivamente nos seus objetivos.

Quer uma dica para saber quais ações de marketing digital você vai empreender? Então, faça uma rápida desenhada no método SMART. Uma ideia que pode ser estabelecida assim:

  • Specific (ou especificidade), que é a definição do seu objetivo principal;
  • Mensurable (ou mensurável), que é a possibilidade de monitorar o desempenho da sua campanha;
  • Attainable (ou atingível), que se traduz na avaliação de plausibilidade do seu objetivo;
  • Relevant (ou relevância), que é a reflexão sobre a relevância do objetivo para o seu negócio;
  • Time-related (ou tempo), que é o prazo para alcançar essa meta estabelecida.

Assim, fica muito mais preciso o estabelecimento de metas e, posteriormente, saber quais ações de marketing digital empreender.

2. Avalie as melhores métricas e KPIs

Ao usarmos o termo “melhor”, estamos nos referindo às métricas relacionadas aos objetivos citados no tópico acima. Porque não existe métrica ruim, mas inadequada para monitorar o avanço das suas ações de marketing digital, apenas.

Esqueça, por exemplo, as métricas de vaidade — as curtidas em postagens, por exemplo. É importante compreender quais dados devem ser captados para que as suas campanhas quantifiquem essas informações para a constante avaliação em tempo ágil e com precisão.

Algumas métricas que as empresas têm usado, de maneira mais ampla, para avaliar o sucesso de suas estratégias de marketing!

Custo por lead

Ele significa o valor médio que a sua empresa investe para obter um novo lead. Ao acompanhá-la, você entende como quantificar o retorno obtido e como diminuir os gastos a fim de baratear o investimento para atrair novos clientes.

Para saber como anda o seu custo por lead, faça a seguinte fórmula: investimento / quantidade de leads.

Taxa de rejeição

Outra métrica importante, para medir as suas ações de marketing digital, e que tem a ver com a relevância dos seus conteúdos de inbound marketing.

Para isso, basta conferir atentamente o tempo investido em suas páginas, por um usuário, bem como o engajamento dele com os seus artigos e postagens.

Especialistas apontam que a média aceitável gira em torno de 30 a 45%. Vale, portanto, ficar de olho nessa métrica para mensurar o impacto das suas ações de marketing digital.

ROI

O retorno sobre investimento é calculado da seguinte maneira: [(receita – custo) / custo] x 100.

A importância disso: você entende o quanto o seu investimento tem agregado em resultados. Do contrário, como saber se você está investindo ou, apenas, desperdiçando boa parte do seu orçamento?

3. Use as ferramentas certas

Com base nos seus objetivos e métricas, entenda que existem ferramentas mais relevantes para cada um deles. E, no geral, as empresas têm investido assertivamente no Google Analytics, uma das principais ferramentas, e também os Analytics das redes sociais onde você mais concentra as suas ações de marketing digital.

4. Conte com o auxílio de empresas especializadas

Por fim, pode ser uma excelente oportunidade para você aprender como obter retornos mais rápidos a partir da terceirização das ações de marketing digital na sua empresa.

Com o auxílio de uma empresa especializada no seu mercado de atuação, é possível adquirir, em curto prazo, uma equipe qualificada com a expertise precisa a respeito do seu setor. Sem falar na infraestrutura para colocar em ação as suas campanhas com todo o aparato tecnológico necessário para isso.

Dessa maneira seus investimentos podem ser mais precisos ainda, bem como os resultados surgem de maneira mais orgânica e prática. Diferentemente, por exemplo, de começar um planejamento do zero para internalizar todo o processo.

E, agora que você já tem algumas boas ideias para mensurar as suas ações de marketing digital, que tal ir além e conhecer algumas boas estratégias de marketing integrado.

O significado das cores para logotipo e como escolhĂȘ-las!

O significado das cores para logotipo e como escolhĂȘ-las!

O preto utilizado no logotipo da Adidas, o azul da Wolkswagen e o vermelho da Coca-Cola não foram escolhidos por acaso. Essas também não foram escolhas influenciadas pelo gosto pessoal dos donos das empresas ou pelas cores da moda.

Para criar um logo tão impactante quanto o das marcas citadas é preciso, antes de tudo, conhecer a psicologia das cores.

Ou seja: compreender a fundo quais são os sentimentos que cada tom desperta. O preto da Adidas, por exemplo, passa uma sensação de elegância. Já o azul faz com que a Wolkswagen transmita mais confiança ao consumidor e o vermelho, da Coca-Cola, tem entre as suas intenções despertar o apetite do seu público-alvo.

Quer saber como aplicar isso no seu negócio? Então, saiba mais sobre as sensações despertadas pelas cores e descubra como escolher a combinação de tons ideal para o logotipo da sua empresa!

O uso estratégico das cores no marketing

As cores têm uma relevância indiscutível em nossas decisões. E não estamos falando apenas de um logotipo, mas, basicamente, em muitas de nossas questões particulares também.

Pense, rapidamente conosco: um veículo, uma roupa, um brinquedo ou a parede da sala. Questões mundanas, mas amplamente influenciadas por uma mensagem que queremos transmitir e que as pessoas as captem.

Logotipo | Agência Labra

No mercado, a psicologia das cores tem também um impacto imenso. De acordo com Neil Patel, do Quiclk Sprout, a sua decisão por uma cor, em detrimento de outra, pode representar até 85% da tomada de decisão do seu público-alvo.

Relevante, não é mesmo? Vamos conferir quais são as etapas estratégicas que a sua empresa deve considerar antes de apontar a primeira tonalidade que surgir na aquarela.

O que considerar antes de escolher as cores do logotipo

Antes de definir quais serão as cores do logotipo, é preciso responder a duas perguntas: que imagem a sua empresa espera passar para o consumidor e qual é o público-alvo que se espera atingir. A partir daí, é possível fazer uma escolha precisa sobre as cores que serão utilizadas no logotipo.

O logotipo é um elemento muito importante para a empresa. Ele a representa visualmente e, é utilizado nas embalagens de produtos, em placas de sinalização, no site e em diversos materiais distribuídos para clientes e parceiros.

Um bom logotipo é eficiente em transmitir a imagem que a empresa espera ter no mercado e, em fazer com que os consumidores-alvo se identifiquem com a marca. As cores escolhidas têm um papel essencial para isso.

O significado das cores

Cores mais fáceis de serem identificadas têm um melhor impacto em audiências das classes C, D e E. Por isso, se a sua empresa é voltada para este público, prefira escolher tons como o verde, o azul e, o laranja. Evite o uso de cores elaboradas, como o turquesa ou o caramelo.

Outro cuidado importante, é não se deixar influenciar pelas cores da moda. A cor do ano 2017 escolhida pela Pantone, por exemplo, é o verde Greenery. O tom deve influenciar o trabalho de designers, fashionistas e decoradores, mas nunca a escolha de um logotipo.

Afinal, a cor vai estar em alta por um curto período de tempo e, a ideia é que o seu logo perdure por muitos anos.

Em vez disso, use como base as reações que, segundo a psicologia, cada cor é capaz de provocar. Veja alguns exemplos:

  • verde: remete à ecologia, desperta sensações de frescor e de tranquilidade;
  • preto: pode remeter ao clássico e conservador. Também dá elegância à marca e pode transmitir um pouco de mistério;
  • amarelo: desperta a curiosidade e o otimismo, mas é preciso ter cuidado para não exagerar no uso desta cor. Em excesso, o amarelo estimula a ansiedade;
  • roxo: a cor está ligada à realeza, por isso, pode dar mais sofisticação à marca. O roxo também pode remeter à espiritualidade, à fantasia e à imaginação;
  • rosa: cor que proporciona calma, ligada ao romantismo e a feminilidade;
  • dourado: remete à alta qualidade e ao luxo.

Essas são apenas algumas das cores mais usadas por empreendedores. Convém avaliar, dentro do vasto repertório de cores, aquelas tonalidades que mais traduzem os valores da sua empresa em alinhamento ao perfil do seu público.

Dessa maneira, para acertar na escolha das cores do seu logotipo é preciso estudar as sensações provocadas por cada uma. Também é importante conhecer os logos dos seus concorrentes, para evitar criar um logo muito parecido com os que já existem.

Escolher a combinação de cores certas é um importante passo no caminho para garantir que a sua empresa tenha a imagem esperada no mercado.

Como escolher as cores para o seu logotipo

Acima, destacamos os seus pilares institucionais e o perfil do seu público. No entanto, vale se aprofundar na questão para que o seu logotipo se destaque dos demais — da concorrência, preferencialmente —, agregando mais valor e destaque à sua marca.

O primeiro deles é o cuidado em não destoar dos seus valores buscando, para isso, uma associação imediata com um modismo. Por exemplo: existem tonalidades que são tendências para o próximo verão.

Ao seguir essa tendência, o que vai acontecer com o seu logotipo nos anos seguintes? Vai carregar uma tonalidade passageira, da qual pouca gente se lembra ou associa uma sensação.

Outra dica é que você teste exaustivamente as combinações de tons e, por fim, que sempre imprima-as em preto e branco. O motivo para isso se explica facilmente: diante do uso do logotipo em materiais publicitários, pode ser que você tenha que usá-lo sem cores.

E é importante que o logotipo funcione colorido ou não. Que seja legível, inclusive, das duas maneiras.

Por fim, uma dica importante: fuja das preferências pessoais. Como destacamos, o uso estratégico das cores ajuda a gerar associações do seu logotipo com a marca que ele representa, e com o perfil do seu público-alvo.

Se você escapa disso para colocar a sua preferência por verde, por exemplo, fica mais difícil criar essa associação rica com a sua audiência.

e book display - O significado das cores para logotipo e como escolhê-las!

Existem cores certas para o logotipo, site e blog?

A nossa resposta, objetiva e simples, é: não. Afinal de contas, estamos falando da construção de sua identidade visual. Ela tem que estar associada, em primeiro lugar, à sua persona e aos motes institucionais de sua marca.

Só que você deve tomar cuidado com base nas considerações acima e, principalmente, nas sensações que você deseja despertar. Muitos tons “cansam” rapidamente a vista, e você não quer que o usuário visite o seu site ou blog e saia rapidamente de lá por conta disso, certo?

Basta ter em mente que o seu logotipo e qualquer outro detalhe da sua identidade visual têm uma mensagem, um objetivo e um valor implícitos — e explícitos — neles. E, se possível, usá-los em combinação com outros fatores, como:

  • cores que dialoguem — ou contrastem, desde que por meio de sensações positivas — em todos os seus materiais. Os digitais, inclusive, como as cores do site, das redes sociais e do blog;
  • cores que gerem um design atrativo e que não canse;
  • cores que gerem identificação mútua;
  • cores que não desapareçam — ou sejam mascaradas — por outros tons presentes em materiais diversos, como o seu catálogo de produtos.

Não é uma tarefa fácil, isso é verdade. Só que a escolha certeira do seu logotipo — após testes e mais testes — é um diferencial e tanto para se aproximar do seu consumidor e criar um relacionamento rico, sólido e duradouro.

Você levou em consideração a psicologia das cores na hora de criar o seu logotipo? Comente a sua opinião sobre o assunto. Ou entre em contato com a equipe LABRA para ajudar nessa questão. Somos especialistas no assunto e você pode conseguir rapidamente o seu orçamento para dar início à elaboração e desenvolvimento do seu logotipo!

Pin It on Pinterest