Conteúdo no site é importante?

Conteúdo no site é importante?

Ter conteúdo para site é importante? Para muitos pode passar despercebido, mas é fundamental e indispensável para você conseguir se posicionar organicamente na internet. 

Hoje, o Google é o principal protagonista das buscas na internet. Para que seu site seja encontrado pelo motores de buscas, não adianta ter apenas um design bonito, mas sim, uma configuração técnica, uma boa otimização por trás do seu site. E isso, envolve diretamente conteúdo no site. 

Pontos que identificam um site sem conteúdo: 

  • Se você possui um site e não aparece na internet;
  • Se o seu site possui um volume baixo de acesso;
  • Quando alguém procura pelo que você oferece e não aparece seu site;
  • Seu site possui um design bonito mas ninguém encontra. 

Se o seu site se encaixar em qualquer destes pontos, está na hora de rever seus conceitos sobre conteúdo, e começar aplicar essa estratégia. 

A construção do conteúdo no site

Muitas empresas quando optam em criar um novo site, se preocupam muito com o design mas esquecem do mais importante, o CONTEÚDO.

A construção de conteúdo no site é um dos maiores problemas que enfrentamos aqui na LABRAQuando vamos desenvolver novos sites, as empresas não possuem conteúdo, e quando possuem, é necessário passar por uma reformulação para deixá-lo na linguagem digital e otimizado para os motores de busca poderem localizá-los.

Para produzir um conteúdo de qualidade e bem otimizado, antes de tudo, é necessário planejamento e pesquisa para entender como o seu possível cliente procura seu produto ou sua empresa no mundo online. 

A partir disso, se inicia a construção do conteúdo, a criação da pauta, um título que estimule a leitura, palavras-chave que auxiliem na indexação do conteúdo, URL, e muitos outros detalhes que ajudarão este conteúdo ser localizado pelos motores de busca.

Agora vamos dar dois exemplos de clientes que deram certo ao usarem o conteúdo como estratégia para serem encontrados nos motores de busca. 

Primeiro exemplo: pegamos o produto principal do cliente X, construímos uma página robusta, com bastante conteúdo otimizado, imagens, vídeos, meios que tornaram ainda mais diferenciada a página.

O resultado foi: levamos essa página, que estava na décima página do Google para a primeira. Mas para alcançar esse objetivo, teve otimização SEO

Segundo exemplo: ao contrário do exemplo anterior, o cliente Y já possuía um site e um blog, com diversos artigos escritos. 

Porém não havia nenhum conteúdo posicionado, isso devido a falta de otimização nos textos, e a falta de linguagem correspondente ao meio online. Isso, fazia com o que os motores de busca não utiliza-se o conteúdo como resposta às perguntas dos usuários. 

Como funciona um ranqueamento através do conteúdo

Tudo funciona de uma forma bastante simples, onde o usuário faz uma pergunta ao Google, e o robô do Google faz uma varredura para localizar a melhor resposta. 

Mas a grande inteligência por trás disso é colocar o seu conteúdo, o seu site ou seu blog, dentre as primeiras posições destas melhores respostas que o próprio Google classifica.

É isso que exige uma grande expertise desde o início de toda a construção do conteúdo, seja para uma página de um site, para uma página de conversão ou para um blog.

Existe uma série de fatores técnicos que farão o conteúdo do seu site estar lá nas primeiras posições, porém os 3 principais são: a otimização do conteúdo, o desempenho do site ou blog e o servidor onde está hospedado e, também o volume de acesso. Sem pelo menos esses 3 pontos estarem super bem configurados e funcionando, o seu conteúdo não será localizado. 

Você pode ter o melhor conteúdo de todos, mas sem estes fatores, de nada adianta, pois como já citamos, é um robô que faz esta busca pela melhor resposta, e não um ser humano. 

Então, o seu conteúdo precisa estar enquadrado dentro dos critérios de seleção que o robô do Google utiliza para ser localizado.

Abaixo segue um exemplo prático de um cliente nosso, que desde o início do nosso trabalho, focamos muito em conteúdo, tanto no site quanto no blog, permitindo este crescimento orgânico exponencial que conquistamos:

Gráfico de exemplo com o crescimento do cliente desde o inicio do trabalho com conteúdo no site | Agência Labra

Por fim, para você saber se o seu site ou blog está com um bom conteúdo, faça uma pesquisa no Google com o seu principal produto e veja se a sua empresa aparece organicamente, abaixo dos anúncios patrocinados e do maps.

Um exemplo com a própria LABRA, conforme imagem abaixo que mostra a nossa posição orgânica, buscamos por uma palavra chave específica, de um serviço que entregamos.

Ou seja pesquisando por “conteúdo marketing industrial”, estamos na primeira posição do Google, tirando a primeira posição da imagem abaixo, que se trata de um anúncio patrocinado.

Gostou desse conteúdo? Leia também o nosso post sobre marketing de conteúdo e saiba como aumentar suas vendas com tráfego orgânico. 

Marketing digital: erros que provavelmente você está cometendo

Marketing digital: erros que provavelmente você está cometendo

Trabalhar com marketing digital significa estar o tempo todo, de olho em novas tendências e mudanças mercadológicas. Afinal, da noite para o dia, a sua estratégia certeira pode ficar obsoleta.

E, aí, aquilo que era certo se torna, lenta e gradualmente, um erro. Por isso, ainda que você tenha uma série de ações personalizáveis, é importante saber exatamente o que tem contribuído, ativamente, para o contínuo enriquecimento da sua relação com o consumidor.

Por isso, para este post, vamos mostrar para você os erros mais comuns do marketing digital, para que você não cometa eles e, aprenda a construir uma estratégia cada vez mais imune a riscos e imprevistos. Confira!

1. Falta de planejamento de marketing digital

Planejamento: sem isso, o marketing digital da sua empresa é uma série de tentativas e erros — algo que não condiz com o seu DNA.

Afinal de contas, toda a estratégia do marketing digital consiste em identificar a mensagem ideal, para a pessoa certa e no momento certo. Com isso, é importante saber, exatamente, o que dizer e para quem dizer antes de tentar qualquer estratégia.

Comece, portanto, avaliando os seus objetivos com o marketing digital, além de diagnosticar os desafios e também os meios mais alinhados às suas metas para que cada campanha atinja o resultado proposto — e para que nada venha em decorrência do acaso.

2. Ausência de uma persona definida

Além do objetivo, o seu marketing digital não vai evoluir se, antes, você não souber quem é a sua audiência. O público-alvo da sua marca é também conhecido como buyer persona, e é por meio do conhecimento desse perfil que você compõe todas as suas campanhas.

Por exemplo: ao saber profundamente quem é o seu consumidor, você entende quais são os termos que ele mais pesquisa, na internet, quais são os seus objetivos, necessidades, desafios e tipos de conteúdo que ele consome no dia a dia.

Como resultado, sua empresa pode compor todas as ações de marketing integrado com precisão.

3. A falta que faz uma jornada do cliente

Além do perfil do consumidor, destacamos acima a importância em saber as necessidades e desafios do seu público, certo? E todo esse percurso — entre descobrir que tem um problema à decisão de compra — é conhecido como a jornada do cliente.

No marketing digital, esse processo é definido assim:

  • Avaliação, que é a etapa na qual o seu cliente em potencial descobre que tem um problema e quer entendê-lo;
  • Consideração, que consiste na compreensão do problema e na busca inicial por soluções para resolvê-lo;
  • Decisão, que define o momento em que o seu cliente já sabe o problema e as soluções, bastando decidir-se pela sua empresa para auxiliá-lo.

Saber em qual etapa o seu consumidor está permite que se entenda o melhor tipo de abordagem. Não adianta empurrar os seus produtos e serviços, por exemplo, se esse cliente em potencial sequer saber qual é o problema que ele tem à frente.

4. Não investir em conteúdo qualificado

O marketing de conteúdo é um dos principais pilares do marketing digital. Por meio dele, tudo o que vimos aqui se traduz em soluções: a elaboração de conteúdos ricos e que respondam a todas as dúvidas do seu consumidor em potencial e que, lenta e gradualmente, vai convertendo-o em assíduo frequentador do seu site, blog e redes sociais.

Daí, inclusive, a importância mencionada em acompanhar os passos anteriores. O conteúdo é o rei do marketing digital, e ele só vai ser relevante se você conhecer, detalhadamente, tudo a respeito da sua persona.

Vale entender, ainda, que o marketing de conteúdo pode se desdobrar em diversos formatos de conteúdos, como:

  • Blog posts;
  • E-books;
  • Vídeos;
  • E-mail marketing;
  • Redes sociais — especialmente, aquelas em que os seus consumidores mais estão concentrados.

Isso tudo, é claro, baseando-se nas principais técnicas de SEO. Com isso, o seu marketing digital vai estar muito mais alinhado com as melhores práticas do mercado.

5. Não monitorar a performance de suas campanhas

Por fim, se existe uma lição valiosa de marketing e liderança que podemos deixar, é a seguinte: acompanhe o desempenho de suas campanhas com base nas métricas destacadas para os seus objetivos.

Com isso, não vai faltar tempo hábil para ajustar qualquer estratégia, avaliar novas ações e, inclusive, descartar o que não rendeu o esperado. Atente-se a esse ponto elementar para que as suas campanhas de marketing digital decolem e alcem voos cada vez maiores.

Quer ver um pouco mais sobre o assunto? Então, aproveite para entender, especificamente, como o marketing de conteúdo para indústrias pode ser uma campanha inteiramente diferenciada e personalizada para os seus negócios!

Como o Marketing funciona no B2B

Como o Marketing funciona no B2B

É possível que o marketing seja direcionado de acordo com o segmento de mercado que cada empresa trabalha. Hoje, existe o marketing B2C, direcionado para o comércio e bens de serviço para pessoas físicas e, o B2B, que são as transações entre as empresas.

Porém, hoje, queremos apresentar um pouco do funcionamento do B2B. Ele se caracteriza pela atuação em várias funções distintas no processo de venda e também de compra.

A prioridade primária do marketing B2B é capturar o lead, qualificá-lo de modo que ele possa ser preparado para receber a abordagem do setor de vendas da empresa.

Para ajudar ainda mais na compreensão, enquanto os clientes finais realizam a compra a partir do preço e da popularidade, as empresas, que são o foco do B2B, analisam questões como potencial de lucro e também preços. 

Vamos de exemplos

Se ainda não ficou tão claro o que o marketing significa, pense em empresas que realizam a venda de grandes máquinas para os mais diferentes segmentos, as quais não tem utilidade para o consumidor comum, como máquina de corte a laser e máquina de solda

Pensou? Pois bem, esses equipamentos podem ser extremamente úteis para outras empresas que realizam serviços e produções em grande escala e demanda.

É nessa hora que o marketing B2B entra em ação, para falar de forma direta com essas empresas e mostrar a importância de um bom equipamento e como adquiri-lo.

E com o crescimento das indústria da internet, o marketing industrial e B2B tem acompanhado e se mostrado uma estratégia extremamente boa. 

E quais são os benefícios?

Utilizado de forma estratégica e muito bem pensada, o aumento de lucros de uma empresa pode ocorrer por conta do marketing B2B, já que o alcance dos mais diferentes tipos de clientes e empresas pode acontecer.

Quando realmente feitas de forma eficaz, bem planejadas e estruturadas, as estratégias tendem a promover diferenciação de mercado de atuação, além de mostrar aos potenciais clientes a credibilidade da empresa. 

Um ponto importante para ser lembrado no marketing B2B, é buscar realizar uma comunicação que seja mais voltada para a garantia de desempenhos e resultados, bem mais do que o consumo/compra de algum produto.

Essa comunicação feita pelo marketing, precisa além de tudo, ser explicativa para o cliente, sendo detalhado e relevante para que ele consiga compreender de maneira eficiente o para o público. 

Os conteúdos mais extensos tendem a ser melhores no marketing B2B, exatamente pelo fato das altas explicações e detalhamento dos produtos e todo processo feito por uma indústria. 

Estratégias certeiras

Nada melhor do que dicas que funcionem para um marketing B2B certeiro. Para começar, é muito importante que seja feita uma análise de concorrentes e perceber o que pode funcionar também para o seu negócio, de uma forma diferente, e o que não. 

A segmentação do público também é muito importante. Se uma empresa vende equipamento de segurança individual, o público-alvo precisa ser os trabalhadores de ambientes com algum tipo de risco físico, não os de trabalhadores de escritório, por exemplo.

E a definição de metas é o que vai ajudar o marketing de fato deslanchar e conseguir os resultados desejados e esperados.

Por isso, não deixe de analisar todos os tipos de estratégias de marketing B2B para que o sucesso da sua empresa seja de fato eficaz e proporcionar todos os resultados esperados.

Fale com

4 dicas para medir melhor suas ações de marketing digital

4 dicas para medir melhor suas ações de marketing digital

Empresas que se interessam pelo crescimento promovido por meio das ações de marketing digital, podem se frustrar quando os primeiros resultados são negativos.

Mas, afinal de contas, você sabe o que não rendeu o esperado, no seu plano de ação, e quais métricas apresentaram um retorno relevante?

Ou seja: muita gente não desenvolve um planejamento focado nas suas características e necessidades e, por conta disso, não obtém o crescimento esperado. É por isso que, ao longo deste post, vamos apresentar 4 dicas que podem contribuir com uma resposta qualitativa de suas ações de marketing digital.

Boa leitura!

[e-book] As melhores estratégias para aumentar as vendas na indústria | Baixar grátis | Agência Labra

1. Defina as metas esperadas com as ações de marketing digital

Não basta planejar diversas ações de marketing digital sem, antes, saber quais são as suas metas. Afinal de contas, a quantidade de tráfego gerada em um só minuto, na internet, é imensa!

É fundamental, portanto, saber por onde começar definindo as suas metas. Dessa maneira, a filtragem de dados vai ocorrer com facilidade a partir do uso de técnicas e tecnologias focadas exclusivamente nos seus objetivos.

Quer uma dica para saber quais ações de marketing digital você vai empreender? Então, faça uma rápida desenhada no método SMART. Uma ideia que pode ser estabelecida assim:

  • Specific (ou especificidade), que é a definição do seu objetivo principal;
  • Mensurable (ou mensurável), que é a possibilidade de monitorar o desempenho da sua campanha;
  • Attainable (ou atingível), que se traduz na avaliação de plausibilidade do seu objetivo;
  • Relevant (ou relevância), que é a reflexão sobre a relevância do objetivo para o seu negócio;
  • Time-related (ou tempo), que é o prazo para alcançar essa meta estabelecida.

Assim, fica muito mais preciso o estabelecimento de metas e, posteriormente, saber quais ações de marketing digital empreender.

2. Avalie as melhores métricas e KPIs

Ao usarmos o termo “melhor”, estamos nos referindo às métricas relacionadas aos objetivos citados no tópico acima. Porque não existe métrica ruim, mas inadequada para monitorar o avanço das suas ações de marketing digital, apenas.

Esqueça, por exemplo, as métricas de vaidade — as curtidas em postagens, por exemplo. É importante compreender quais dados devem ser captados para que as suas campanhas quantifiquem essas informações para a constante avaliação em tempo ágil e com precisão.

Algumas métricas que as empresas têm usado, de maneira mais ampla, para avaliar o sucesso de suas estratégias de marketing!

Custo por lead

Ele significa o valor médio que a sua empresa investe para obter um novo lead. Ao acompanhá-la, você entende como quantificar o retorno obtido e como diminuir os gastos a fim de baratear o investimento para atrair novos clientes.

Para saber como anda o seu custo por lead, faça a seguinte fórmula: investimento / quantidade de leads.

Taxa de rejeição

Outra métrica importante, para medir as suas ações de marketing digital, e que tem a ver com a relevância dos seus conteúdos de inbound marketing.

Para isso, basta conferir atentamente o tempo investido em suas páginas, por um usuário, bem como o engajamento dele com os seus artigos e postagens.

Especialistas apontam que a média aceitável gira em torno de 30 a 45%. Vale, portanto, ficar de olho nessa métrica para mensurar o impacto das suas ações de marketing digital.

ROI

O retorno sobre investimento é calculado da seguinte maneira: [(receita – custo) / custo] x 100.

A importância disso: você entende o quanto o seu investimento tem agregado em resultados. Do contrário, como saber se você está investindo ou, apenas, desperdiçando boa parte do seu orçamento?

3. Use as ferramentas certas

Com base nos seus objetivos e métricas, entenda que existem ferramentas mais relevantes para cada um deles. E, no geral, as empresas têm investido assertivamente no Google Analytics, uma das principais ferramentas, e também os Analytics das redes sociais onde você mais concentra as suas ações de marketing digital.

4. Conte com o auxílio de empresas especializadas

Por fim, pode ser uma excelente oportunidade para você aprender como obter retornos mais rápidos a partir da terceirização das ações de marketing digital na sua empresa.

Com o auxílio de uma empresa especializada no seu mercado de atuação, é possível adquirir, em curto prazo, uma equipe qualificada com a expertise precisa a respeito do seu setor. Sem falar na infraestrutura para colocar em ação as suas campanhas com todo o aparato tecnológico necessário para isso.

Dessa maneira seus investimentos podem ser mais precisos ainda, bem como os resultados surgem de maneira mais orgânica e prática. Diferentemente, por exemplo, de começar um planejamento do zero para internalizar todo o processo.

E, agora que você já tem algumas boas ideias para mensurar as suas ações de marketing digital, que tal ir além e conhecer algumas boas estratégias de marketing integrado.

Entenda como anda o setor da indústria alimentícia no Brasil

Entenda como anda o setor da indústria alimentícia no Brasil

De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), a indústria alimentícia no Brasil terá um crescimento de 2,5% a 3% em 2019, índice bastante positivo para a área.

Esse crescimento mostra que, mesmo tendo apresentado perda relativa de importância nas últimas décadas, a indústria alimentícia no Brasil ainda conserva um peso significativo no ramo industrial, gerando empregos, contribuindo com as exportações e alimentando milhares de brasileiros.

Mas, apesar das expectativas serem muito positivas, esses números não significam que não há desafios a serem superados.

Por isso, é importante que os líderes do setor conheçam os desafios e oportunidades dentro do setor, motivando um crescimento da indústria alimentícia no Brasil mais sustentado e com resultados positivos contínuos.

Para entender melhor este setor, acompanhe o conteúdo com a gente!

[e-book] As melhores estratégias para aumentar as vendas na indústria | Baixar grátis | Agência Labra

Panorama do setor da indústria alimentícia no Brasil

O ano de 2019 já passou da sua metade, mas tudo indica que as estimativas do início do ano, que eram bastante otimistas, estão se confirmando.

Puxada por indicadores econômicos, pela elevação nas exportações e pela retomada do mercado interno, a aguardada retomada do crescimento do setor alimentício brasileiro enfim começa a mostrar resultados. As estimativas indicam que no ano de 2019 a indústria alimentícia do Brasil terá um crescimento que tende a variar entre 2,5% a 3%.

Além disso, há outras estimativas que mostram a recuperação do setor. As vendas reais, por exemplo, devem aumentar de 3% a 4% quando comparado ao ano de 2018.

As exportações também tendem a se elevar, podendo chegar aos US$40 bilhões, ou seja, movimentando mais de US$109,59 milhões por dia. Já o emprego será outro beneficiado, em 2018 foram geradas cerca de 13 mil novas vagas de trabalho e a expectativa para 2019 é que esse número chegue a 40 mil novas vagas.

Diante desse otimismo, o presidente da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (ABIA), João Dornellas acredita que os resultados do ano de 2019 pode superar até as expectativas mais animadoras.

A melhora no poder aquisitivo da população, aliada à inflação controlada e ao crescimento econômico, são fatores capazes de incentivar uma taxa de crescimento ainda mais acentuada podendo, inclusive, superar o desempenho projetado para o PIB brasileiro”, prevê Dornellas.

Apesar das ótimas expectativas, há ainda muitos desafios

Como já visto, as estimativas para a indústria alimentícia no Brasil em 2019 são bastante otimistas. Mas ainda há muitos desafios que precisam ser superados para que as estimativas se confirmem.

No mundo todo, a indústria de alimentos costuma ser bastante dinâmica, passando por inúmeras transformações a fim de acompanhar as maiores tendências relacionadas ao setor. O Brasil apresenta o mesmo dinamismo.

Nesse sentido, é necessário que a indústria alimentícia do Brasil conheça os desejos, prioridades e objetivos do consumidor do mercado interno e externo, pautando suas ações para cumprir essas novas demandas de consumo dentro de um cenário altamente competitivo.

A burocracia em excesso, o ainda ineficiente serviço de fiscalização sanitária e o imenso desperdício nas fases de produção em geral, fabricação e distribuição são outros importantes obstáculos que a indústria alimentícia brasileira precisa vencer.

Superar tais desafios significará avançar dentro do setor, além de melhorar o potencial de competitividade das indústrias.

Prioridades da indústria alimentícia brasileira

Baseado no contexto de intensa preocupação com os desejos do consumidor, a indústria alimentícia no Brasil deve se pautar em algumas prioridades diretamente ligadas às novas demandas de consumo em um cenário de alta competitividade.

Tais prioridades terão relação com a saudabilidade e redução de açúcares, ampliação do portfólio “saudável” e elevação dos investimentos em P&D e em marketing.

  1. Redução de açúcares é pauta central dentro do setor

A busca por uma alimentação mais saudável tem orientado as empresas alimentícias em todo o mundo. No Brasil, não é diferente e a redução de açúcares se tornou uma importante pauta. Por isso a indústria alimentícia no Brasil, em parceria com o ministério da saúde, elaborou o Plano de Redução de Açúcares.

Esse plano visa a retirada gradual de açúcares de categorias de alimentos industrializados, divididas em 5 categorias: bebidas adoçadas; biscoitos; bolos e misturas para bolos; achocolatados em pó e; produtos lácteos.

  1. Ampliação do portfólio baseado na saudabilidade

Ainda considerando a alimentação saudável, a indústria alimentícia no Brasil tem se mostrado comprometida em promover ações mais concretas no combate a obesidade. Por isso, investem na inovação do seu portfólio e adequação às necessidades atuais do consumidor.

Tais indústrias começam a realizar diversas mudanças que passam por:

  • Alterações no perfil nutricional:
  • Porcionamento dos produtos; e
  • Redução voluntária de sódio, gorduras trans e açúcares.

Essa é uma ação voluntária do setor, que já retirou 310 mil toneladas de gorduras trans dos alimentos e, de forma gradual, 17 mil toneladas de sódio em 35 categorias de alimentos industrializados e as expectativas de retirada são ainda maiores para os próximos anos.

  1. Investimento em P&D em inovação e marketing

Na atualidade, vem sendo cada vez maior a busca por alimentos que contribuem para a saúde dos olhos, outros para o fortalecimento da memória e os que ajudam na redução do colesterol e controle da pressão arterial.

Para atender esses consumidores, o investimento, por parte da indústria alimentícia no Brasil, deve se basear na área de P&D para a criação de produtos cada vez mais inovadores e alinhados com as tendências mundiais de consumo.

Aliado ao desenvolvimento de novos produtos as indústrias precisam investir em marketing dentro do setor de alimentos. Tais investimentos em marketing devem se basear em:

  • Comunicação personalizada e integrada, conhecendo o consumidor;
  • Máxima transparência;
  • Maior interação digital com o consumidor, via mídias online e força do conteúdo;

Por fim, é sempre importante lembrar que entender o comportamento do consumidor será sempre fundamental para que a indústria alimentícia no Brasil cresça de forma sustentada e supere as expectativas.

Descubra onde você está errando no processo de vendas da sua indústria! Clique aqui | Agência LABRA

Gostou? Então aproveite e saiba mais sobre a importância da Indústria 4.0 e seus efeitos no desenvolvimento do Brasil.23

Pin It on Pinterest